ESTUDO 6:
Sal da Terra

ESTUDO 6: Sal da Terra
por

Texto: Mateus 5: 13

“Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens.”

Tema: SAL DA TERRA – A MELHOR COMPARAÇÃO

Introdução:

Nos versículos 3 até ao 12 do capítulo 5, Jesus vinha delineando o caráter do crente. Mas aqui, no versículo 13, Ele vai adiante e começa a aplicar as descrições do que foi apresentado anteriormente:

Tendo considerado o que o crente é, agora Ele passa a considerar, de que maneira o crente deve manifestar a sua nova natureza.

O crente não é uma pessoa que vive isolada. Ele está no mundo, embora não pertença ao mundo; e ele mantém uma certa relação para com o mundo.

Ao crente é recomendado que ele precisa ter uma mente e perspectiva diferentes da dos homens deste mundo; todavia, isso jamais significa que ele deva retirar-se da vida ativa deste mundo.

A ORIENTAÇÃO É PASSAR DA CONTEMPLAÇÃO DO CARÁTER DO CRENTE PARA A “FUNÇÃO E DO PROPÓSITO” DO CRENTE NO MUNDO.

Parte I:

Jesus não escolheu qualquer substância para fazer analogias. Ele disse que deveríamos ser o sal da terra.

Mas que substância é esta, que Ele se refere?

Seguindo toda descrição deste versículo, não nos deixa dúvidas de que é o que conhecemos hoje como Cloreto de Sódio (NaCl). Sódio (Na+, do Latim natrium: Sal de pedra) e o Cloreto (Cl-, do grego chloros: amarelo esverdeado).

Antigamente, já foi uma substância muito preciosa. Motivou guerras, ergueu impérios e estimulou o comércio entre os povos. Ainda que atualmente o valor agregado do sal não seja igual ao “ouro”, o sal ainda tem sua importância na sociedade contemporânea: tempera e salva nossas vidas! É indispensável em cozinhas e em muitas indústrias químicas, alimentícias e farmacêuticas do mundo inteiro. Mas por que a comparação foi feita com o sal e não com o açúcar?

Veremos nove características dessa substância, que precisam se aplicar à vida de quem quer ser “sal da terra”, conforme a orientação de Jesus:

  • Perde (doa), Ganha (recebe)

Na química, representa-se por sinal positivo (+) todo elemento que “perdeu” elétrons e sinal negativo (-) aquele que “recebeu elétrons”. No caso do NaCl, é indispensável que haja a doação de elétrons do Sódio (Na+) para o Cloreto (Cl-), para formação do Sal ou NaCl, formando-se assim uma forte ligação entre eles, conhecida como ligação iônica.

Em posse desse conhecimento químico, podemos aplicar que só seremos o “sal” genuíno se apresentarmos também características de “doar” e “receber”. Esse equilíbrio é indispensável para a vida cristã!

Atos 20: 35 nos revela: “É melhor dar do que receber”. Um fato interessante é que o Sódio ao doar o seu elétron para o Cloro não apresenta prejuízo em sua estrutura atômica. Muito pelo contrário! Ele atinge a sua maior estabilidade quando doa elétron.

Podemos concluir que a primeira característica de um genuíno cristão é a habilidade de “doar” e “receber”. (Filipenses 3: 7) 

  • Não perde facilmente suas propriedades

À temperatura ambiente, o NaCl encontra-se no estado sólido. Seria possível alterar o NaCl sólido para o estado líquido? Sim, através do aumento da temperatura (ponto de fusão). Sabe qual é o ponto de fusão do NaCl? Nada menos que 800ºC (impossível de atingi-lo em casa, seu formo só chega no máximo 300ºC.

Agora fica mais fácil entender quando Deus fala “Entrega o teu caminho ao Senhor…” (Sl 37: 5) e não “Compartilha, Empresta o teu caminho ao Senhor…”

A segunda característica do cristão é não perder facilmente suas propriedades. (Rom 12: 2)

  • Conservar

Altas concentrações de sal inibem a proliferação de micro-organismos nos alimentos, conservando-os em boas condições de consumo por um tempo bem maior. Este artifício bioquímico é apresentado na Bíblia em diferentes passagens, além das diversas citações do Mar Morto: Deuteronômio 29: 23, Juízes 9: 45, II Reis 2: 21, Levítico 2: 13).

Até hoje, essa estratégia é muito bem difundida nos supermercados, você encontra latas de salsichas, ervilhas e milho fora da geladeira, uma peça de bacalhau sem refrigeração, biscoitos recheados com prazo de validade por mais de 8 meses numa simples prateleira, etc… Essa é uma das razões que justificam por que o excesso de consumo de produtos industrializados tem sido a causa do aumento de doenças cardiovasculares e renais em todo mundo. Perdeu-se a função de apenas conservar para estender prazos de validade.

Em virtude do exposto, a terceira característica do cristão é ser sal para auxiliar na conservação da vida!

O que fica de lição para nós cristãos? Que a presença de “sal” deve ser equilibrada a fim de não comprometer a manifestação da vida! Ninguém gosta de comida muito salgada. Portanto sejamos sal em equilíbrio! Nada de imposições e palavras duras, “pois a palavra branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”. (Provérbios 15: 1). O interessante é que até esse equilíbrio nos é revelado na palavra quando Paulo diz aos Colossenses 4: 6.

  • Perceptível e corrige o sabor

A palavra SALADA refere-se a comida salgada, pois salgava-se os vegetais para amenizar o amargor de alguns deles.

Dessa forma, o sal como tempero é um excelente corretor de percepções gustativas desagradáveis, em diversas situações. Imagine Pipoca, Batata frita sem sal!

Dessa forma a quarta característica do cristão é ser sal para melhorar o sabor do que nos alimenta.

Das fontes que tem nos nutrido, há tempero com “sal”? Talvez a nossa vida sem graça, insossa, ou a vida de um amigo sejam provenientes da falta de companhias que podem salgar as suas vidas…

Nas reuniões sociais que frequentamos, há presença de sal? (Salmos 1: 1-6)

  • Alvo (branco) e facilmente perceptível quando contaminado

Como o aspecto do sal é cristalino e branco nas condições normais, quando se contamina, é facilmente perceptível, não sendo útil para consumo, mas sim “para ser jogado fora e pisado pelos homens…” Para que o sal seja útil, ele deve estar puro, isento de contaminantes!

Aí está a quinta característica: mantenha-se separado das coisas que o contamina! – (Filipenses 4: 8)

  • Solúvel em água (faz interação com a água)

Imagine uma semana bem chuvosa… vai até a cozinha de sua casa e abre o saleiro e percebe que o sal está úmido ou até empedrado. A água é polar, e essa configuração da água permite a aproximação das partes eletricamente carregadas do Sódio e do Cloreto, ocorre a interação da água com os íons Sódio (carga positiva) e o Cloro (carga negativa): Então podemos dizer que o Sal se dissolve na água, porque “doam” e “recebem”.

A sexta característica: sendo sal da terra, você conduzirá água espontaneamente para outros locais (meios).

Quem seria esta água? O evangelho de João no capítulo 4: 6-30 é claro a esse respeito: JESUS a ÁGUA DA VIDA, caminha contigo quando você passa a ser sal! (João 7: 37)

  • Conduz eletricidade (LUZ)

Na 1 carta João 1: 5 está escrito que “…Deus é luz, e não há Nele treva nenhuma”.

Pense nisso agora: substâncias iônicas que apresentam cargas como o NaCl possuem a capacidade de conduzir corrente elétrica quando estão em soluções aquosas (com água). Inclusive, se sabe que a água pura não é condutora de eletricidade, sendo, portanto necessário a adição de alguma substância (neste caso o NaCl), de modo a obtermos uma solução condutora. Esse fenômeno na química é conhecido como eletrólise.

A sétima característica: sendo sal da terra, nos liga à água da vida e, podemos transmitir a luz continuamente.

1 João 2: 9-11 nos adverte que existe uma condição que deixamos de transmitir essa luz.

  • Permite a fluidez da água (não deixa congelar)

50% do sal mineral extraído nos estados unidos, é utilizado para derreter a neve das estradas no período de inverno no país. A adição do NaCl se dissolve na água, perturbando o equilíbrio dinâmico, diminuindo o número de moléculas de água na interface líquido/sólido.

Oitava característica: Por mais que um ambiente esteja “frio”, a sua presença como sal permitirá a fluidez da água. (Descongelar os corações frios). João 7: 38: “Quem crer em mim, como diz a escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”.

  • Indispensável para vida!

Além de cair bem ao nosso paladar, o NaCl é uma necessidade vital. Sem sódio, o organismo seria incapaz de transportar nutrientes ou oxigênio, transmitir impulsos nervosos ou mover músculos – inclusive o coração!

Usado em doses moderadas (até 4g/dia), o sal faz bem, sendo inclusive muito importante para reposição, já que perdemos NaCl pelas fezes e principalmente urina, diariamente. Além disso, o NaCl tem sido muito útil nas emergências médicas, afinal, o que seria de um acidentado sem aquela garrafinha de soro fisiológico (0,9% de NaCl em água)?

Por fim a nona característica: ser sal é garantir a manutenção da vida onde estivermos! Gálatas 2: 20

Conclusão:

“Vós sois o sal da terra.” Essas palavras não encerram apenas uma descrição do crente; mas também envolvem uma descrição do mundo em que o crente está.

Vós, e somente vós… – esta é a ênfase do texto!

…Ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor?

Para nada mais presta senão para, lançado fora e ser pisado pelos homens.

“O sal é bom, mas se ele perder o sabor, como restaurá-lo? Não serve nem para o solo nem para adubo; é jogado fora. “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça”. (Lucas 14: 34,35)

compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *